Será o fim das Impressoras Fiscais?

Será o fim das Impressoras Fiscais?

Será que depois de quase duas décadas de vida das impressoras fiscais, também conhecidas como ECF seu fim está chegando?

A experiência da Nota fiscal eletrônica influenciará no processo de emissão de cupons fiscais nos estabelecimentos?

E as empresas que trabalharam nestes 20 anos única e exclusivamente com as impressoras fiscais? Sobreviverão?

Há quase 10 anos atrás começamos a alertar o mercado de que Automação não era somente a Impressora Fiscal.

O ECF (emissor de cupom fiscal) era uma exigência do fisco para controle de arrecadação nos estabelecimentos comerciais. Muitos revendedores e até fabricantes, erroneamente, centraram seus negócios somente nesta oportunidade. Mas que oportunidade para a época, onde vivenciamos todos o grande “boom” do ECF na virada da década (1999-2001), onde se tiravam pedidos ao invés da venda da automação propriamente dita. Atendia-se a demanda gerada pelo fisco, e muitas vezes ficava somente nisso.

Sob o ponto de vista do empresário do varejo, principalmente do pequeno varejista, a obrigatoriedade do ECF teve a vantagem de levá-lo à automação mínima de sua loja, o que hoje seria indispensável para o controle e a eficiência do negócio.

Muitos se restringiram a atender a legislação fiscal ao invés de tomar uma decisão pela melhoria dos processos de gestão do negócio e do melhor atendimento a seus clientes.

Já pela óptica dos revendedores de ECF, alguns poucos tomaram iniciativas de explorar as oportunidades das diversas aplicações com o uso das novas tecnologias. Continuaram centrados na Impressora Fiscal, na lacração e na manutenção das mesmas.

Passado este período o segmento passou por um crescimento progressivo a taxas de 20 a 40% ao ano, gerando também o agregado na venda dos serviços de lacração e instalação dos tais ECFs.

Este crescimento e a receita de serviços acabou mascarando outras oportunidades reais que surgiam em paralelo.

E agora! O ECF realmente vai acabar?

A exemplo de outros países, realmente não se faz necessário mais ter um controle e armazenamento de impostos em cada caixa, na própria impressora. Com as tecnologias atuais de comunicação de dados, novos procedimentos estão surgindo e com certeza para facilitar a vida de todos no dia a dia, inclusive do próprio fisco. Resta saber quanto tempo o ECF ainda tem de vida?

E a partir daí, vamos realmente vender Automação?

Ou será que a ameaça da morte do ECF não criará novas oportunidades? Será que teremos um novo conceito utilizando uma simples impressora de cupom e a geração do cupom fiscal eletrônico da mesma forma que a atual NF-e? E a Demanda por novos negócios não parará por aí.

Fonte: www.elgin.com.br

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *